Autoconhecimento: a busca interior começa por enfrentar a si mesmo

0
548
Você se conhece? Você aceita quem você é?

Conhecer e aceitar de verdade, entender o que lhe faz bem, aceitar seus limites, conviver bem consigo mesmo, sozinho em seu mundo, sem precisar de alguém com você para se sentir completo.

Difícil, né?

Acho que o mais difícil de se conhecer é saber aceitar quem você é.

Não sei se me conheço bem mesmo e, sinceramente, algumas vezes não tenho certeza de querer me conhecer tanto assim.

Francamente, aqui entre nós, melhor assumir quem é você, com todos os seus pontos “positivos” e negativos, sucessos e fracassos, ou vangloriar-se dos ganhos e encontrar culpados pelas perdas?

Acho que o autoconhecimento me ajudaria a entender o motivo de me chatear em ver um grupo de amigas bebendo cerveja e não terem me chamado, ao mesmo tempo em que a última coisa que eu gostaria de estar fazendo era estar na rua bebendo cerveja com as minhas amigas.

Já passou por algo do tipo? Você nem queria aquilo, mas se chateia por não ter.

Não faz sentido algum. Por que raios se importar com uma coisa que para você não faz sentido?

Sei lá, talvez isso seja uma grande besteira e só eu já tenha tido esse tipo de pensamento. Talvez não.

Conhecer-se não é fácil, mas talvez seja o estudo mais fascinante de todos, acho que é por isso que sempre me interessei pelas questões espirituais e, ao mesmo tempo em que curtia as festas e os momentos com os amigos, fazia questão de ficar no meu canto, curtindo meu sofá, meu quarto, meu casulo. Foi pensando nisso que resolvi ir a uma numeróloga.

Foi incrível enxergar outro ponto de vista de coisas que sempre vivi e senti ao longo da vida.

Descobri, por exemplo, que tenho meu número da Alma e meu número de Lição de Vida: o primeiro, de acordo com a especialista, veio comigo de outras vidas; já o segundo faz parte das minhas “missões”, do que eu preciso viver e aprender nesta passagem.

Foi interessante saber que todo o meu interesse por assuntos do cotidiano, minha curiosidade pelas histórias das pessoas, meus questionamentos e até mesmo minha sensibilidade, que me faz chorar vendo propaganda no YouTube, estão sincronizados com uma energia forte que faz parte da formação da minha personalidade, por exemplo.

Sei que não há uma verdade absoluta. Saber da energia dos números em minha vida fez com que fosse possível entender e conhecer um pouco mais das minhas dificuldades e facilidades e o que eu devo trabalhar para prosperar ainda mais.

No entanto, tudo faz parte de um grande conjunto de fatores. E o que seria das grandes descobertas se não fossem os questionamentos? E se existe uma importante descoberta, é conhecer mais e melhor a mim mesma.

Neste ano comecei determinada a investir mais no meu crescimento.

Cuidar ainda mais da minha saúde, ficar de bem com o espelho pela minha felicidade e bem-estar, investir na minha carreira, ampliar meus conhecimentos, ler mais, me amar ainda mais.

Vou sem medo, porque se há uma coisa da qual devemos nos orgulhar é da nossa trajetória, das nossas conquistas e superações.

E olha que já estava com essas resoluções antes mesmo de a numeróloga me dizer que este seria um ano de autoconhecimento.

Não tenho dúvidas de que será um ano de sucesso. E aí, que tal investir um pouco mais em você?

E não estou falando de dinheiro, não, basta olhar mais para si mesmo, afinal, quem é mais merecedor de seu amor do que você?

 

Thieny Molthini é repórter, autora do blog mudancadehabito.net