Com a chegada ao governo há 12 anos, existe ainda hoje uma ideologia hegemônica no poder, que iniciou um trabalho competente para perpetuar-se no comando do Brasil.

Se analisarmos os fatos, podemos ver que, entre as medidas tomadas, praticamente todas se destinam a destruir os valores morais, conservadores e éticos da sociedade:

  • Afastar do centro de poder pessoas com essas características;
  • Criar uma sensação de impunidade para os delinquentes;
  • Destruir o parque industrial do país;
  • Destruir a competitividade do país; atrair os ricos e banqueiros com aumento do consumo e das riquezas desses mais favorecidos;
  • Acabar com a meritocracia nos cargos públicos, escolas e universidades.

Poderíamos seguir com uma grande lista dessas intenções, na maioria das vezes, bem-sucedidas.

Hoje temos uma população refém, que não pode defender-se – afinal, no Brasil, só o bandido pode ter arma. Se o policial se determinar a defender a população, ele vai ser punido.

Com os baixos salários da categoria, os idealistas que estavam na polícia civil e militar foram obrigados a se afastar pois recebiam pouco e não podiam cumprir sua obrigação.

Para completar, as empresas também viraram reféns. Agora elas precisam se submeter a “doar” recursos aos entes do governo para que possam participar de obras públicas, ou mesmo para obter empréstimos.

Justiça e Legislativo estão desacreditados. Com a maioria dos ministros nomeados pelo partido no poder, o resultado veio rápido: praticamente todos os políticos da quadrilha criminosa que organizou o Mensalão estão soltos.

Enquanto isso, os que estavam a seu serviço seguem presos, com penas que podem chegar a 40 anos! O Mensalão e agora o Petrolão confirmaram o que todos já sabiam: não há mais Poder Legislativo.

Ele é vilmente comprado e cooptado pelo governo. Os órgãos de Estado – como o Itamaraty, os bancos oficiais, as Forças Armadas, a Receita Federal – passaram a ser órgãos de governo.

Eles agora precisam aprender a fazer a política do partido no poder e deixar de cumprir sua missão constitucional. Da mesma forma, a independência dos órgãos reguladores foi destruída.

Bem, podemos não concordar com tudo o que está sendo listado neste texto, mas, seguramente, concordamos com a maioria disso.

Ora, com essa situação, fica a minha pergunta: os brasileiros estão fugindo do seu país ou dos conterrâneos que ocuparam o poder no Brasil? Eles estão abandonando a terra amada ou fugindo dos invasores bárbaros que estão saqueando e saqueando o nosso território verde-amarelo?

Mas atenção, prófugos e exilados: aqui nos Estados Unidos também há brasileiros, e nem todos são como gostaríamos que fossem. Uma parte deles não é diferente dos que tomaram o poder no Brasil.

 

Carlo Barbieri é  CEO do Oxford Group e membro do Conselho do Brazilian Business Group,do Brazil Club, do Florida Brazil Partnership e do Conselho Local – Consulado Geral do Brazil em Miami, entre outros.